segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Não, não, não


Eu acho que sou estranho porque quero discutir complexas questões existenciais com as pessoas. Quero aprender sobre isso e opinar. Mas meus amigos não conversam sobre isso. Eles burlam o assunto com suas doses de tequila e códigos sobre pessoas bonitas. Eu ando com as pessoas erradas. Eles não sabem o valor do dinheiro, esbanjam sem ter conseguido o dinheiro. Não se preocupam. Seus pais são liberais, os meus são tradicionais. Eu não saio, eu escrevo. Eu e meus amigos vamos para o barzinho e não fazemos nada além de conversar, e o assunto acabou. Estão loucos, loucos para beijar. Eu não sinto isso dessa forma. Eu não tenho ido à igreja. Meus amigos vão sem mim às vezes. Eu penso coisas absurdas às vezes, sobre como talvez eles me levem ao barzinho pelo fato de eu ser menos bonito e os olhares se voltarem para os outros componentes da távola. Eu me sinto bizarro, parece que nada em mim é normal. Meu cabelo, minha pele, meus olhos, meu nariz, minha mente. Meus gostos, minhas músicas, minhas redes sociais, meus livros. Meus parentes, minhas escolhas, minha visão, meus passos. Nada parece normal para os outros. Estou fadigado por isso. Não quero que me julguem. E talvez eu também não queira que me compreendam. Mas, vê só: eu não sei. Eu queria alguém para falar sobre a República de Platão, sobre Rosseau. Tão idiota, né? Isso tudo me preocupa. Os nãos que o mundo me dá. Eu também acho que não dei um sim pleno em todos esses anos. Somente tenho não, não, não

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

S O C O R R O

*digita digita enter*

desespero
ê/
substantivo masculino
  1. 1.
    estado de profundo desânimo de uma pessoa que se sente incapaz de qualquer ação; desalento.

É, não é isso que eu tenho.

medo
ê/
substantivo masculino
  1. 1.
    psic estado afetivo suscitado pela consciência do perigo ou que, ao contrário, suscita essa consciência.
    "m. ao se sentir ameaçado"
  2. 2.
    temor, ansiedade irracional ou fundamentada; receio.
    "m. de tomar injeções"

Definição número 2 de medo: sou eu.

Acabou.
A C A B O U 
O E N S I N O M É D I O
E EU E S T O U S U R T A N D O A G O R A
Não sei o que fazer. Saiu a nota do Enem. Pois é. São apenas números antes de serem adicionadas ao sistema do SISU, mas esses números me assustam um pouco. São razoáveis, acima da média, contudo; insuficientes. Como já compartilhei na postagem anterior, lá vamos nós, somente moi. Sinto me nas viagens de Gulliver.

* clica clica desliga*

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Autoconvencimento

 Texto escrito de dentro para fora.

Eu gostaria de começar um texto que te faça saltitar, mas as pessoas respondem aos mesmos estímulos de formas diferentes, então você poderá saltitar ou não com este texto. Eu quero passar no vestibular, como a maioria das pessoas da minha idade. Mas esse desejo é de fora para dentro, porque meu espírito não quer vestibular nenhum. Minha alma só quer liberdade e coisas bonitas. Textos bem escritos e comidas gostosas. O vestibular é tão insano, que eu amo escrever e tiro nota baixa na redação. O que acontece é que eu acabei de receber o resultado de uma prova que eu fiz para ganhar bolsa em um cursinho aqui. Ganhei 25 % e passei em 4º lugar. Tinha uns 300 candidatos. Quer mais? Em dezembro eu fiz outra prova desse tipo, passei em 5º lugar e ganhei 50% de bolsa. Mas o que é 50% para eles é ouro para mim. De verdade, meu pai comprou um brinco de coco e ouro para minha avó, cujo valor do brinco era quase os 50% mensais que eu teria que pagar ganhando a bolsa. Tentei os 100% , então. Consegui apenas 1/4 disso. E o engraçado é que o boleto da taxa de inscrição tinha até vencido. A lista do resultado foi surpreendente: tinha o ser humano do primeiro lugar, com sua nota, e em seguida, os três próximos tinham exatamente a mesma nota. Sim, eu tirei a segunda maior nota e pelos critérios de desempate, mereci o 4º lugar. Eu e o ser do 1º lugar tivemos a mesma pontuação em matemática. O ser do 1º lugar teve apenas 5 pontos acima de mim. CINCO, DETERMINANTES PONTOS. Eu fiquei, talvez eu ainda esteja, p*** da vida por isso. E fora a desconfiança sobre passar no vestibular seriado ou no SISU. Por isso eu fiz a prova desse cursinho. Lá se foram 30$. Mas eu ganhei um copo, bombom, e uma frase legal. Além disso, eu passei em um vestibular em 1º lugar! E eu nem queria fazer. Eu sou assim, pelo amor de Deus. Detesto o fato de sermos pressionados para passar nessas provas. Mas como dá pra perceber, eu não sou uma pessoa incapaz. Eu achei até legal ter essas experiências para eu me conhecer mais. Para eu valorizar mais as oportunidades. E para eu não me preocupar demais. O que eu acho que é sucesso? Sucesso é minha independência (risos). Brincadeira. Além disso, sucesso é passar em 5º, 4º, 1º lugar, sabe por quê? Ainda assim eu ganhei bolsas. A VAGA QUE TE CABE, É SUA, PLENAMENTE SUA, E ISSO SIGNIFICA PASSAR, NÃO IMPORTA A COLOCAÇÃO. Não eram as almejadas, mas... Eu não vou fazer o cursinho. Assim como a fatia populacional deste país que tem baixo poder aquisitivo, eu não tenho dinheiro para pagar por esse estudo. E além do mais, eu caí de paraquedas nesse cursinho. Eles são ótimos em marketing e têm várias filiais na região. Eu mesma já tinha pensado: cara, eu tenho uma base boa, acho que vou apenas revisar sozinha, e se não der certo, cursinho. Mas eu nem me dei uma chance de me ouvir. Mas agora é isso né? Acho que sei por que eu não quisera me ouvir. Meus amigos. A maioria do pessoal que eu conheço vai fazer um curso saturado aqui na região. Não desvalorizo o curso, mas quase todo universitário da cidade cursa essa faculdade. Tipo 3 a cada 5 (estimativa hiperbólica minha). O fato de eu ser diferente e não querer esse curso me trouxe o medo de ser considerada a preguiçosa, que não estuda e não faz nada, só um encosto na casa dos pais. A opinião de fora para dentro também conta um pouco, sim. Mas já que o jeito é seguir em frente, (todo mundo tem feito isso em diversas velocidades), eu vou comprar uns materiais escolares ali. Tipo uma resma e uns marcadores. Vou estudar por conta própria.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

05/01-10/01


Escolhi essa imagem porque ela me lembra do filme "Ilha do Medo", que tinha na bendita da Netflix, com o DiCaprio, e a atuação desse belo senhor está divina, então eu recomendo para vocês convictamente.

  • Eu estava aqui numa depressão pós-leitura, porque acabei de ler "Um amor para recordar", e cara, a tradução foi perfeita, e eu amo o tradutor e a escolha de palavras dele, e a língua portuguesa, por ser mater desses lindos grupos de letras.
  • Eu assisti um Porto Seguro, o que também é maravilhoso.
  • Eu cheguei na 4ª temporada de Once Upon a Time.
  • Eu acho que o Matt Smith namora.
  • Eu não fiz exercícios hoje.
  • Eu estou envergonhada pela MC Melody.
  • Eu brinquei de bonecas com uma adorável garotinha de 7 anos.
  • Eu escrevi uns textos legais, e arrumei as pastas do meu computador.
  • Eu adorei a cantora AURORA e sua música Warrior.
  • Eu estou...Serena.
Café.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

*2*0*1*8*



Sendo 2017 o ano da gratidão, trouxe 17 coisas que aconteceram pelas quais eu sou grata:

  1. Trabalhar no Encontrão do EAC e inclusive coordenar uma equipe;
  2. Crismar (até que enfim!);
  3. Ir à roça pela primeira vez, chupar cana, fazer guerra de tinta e brincar com um passarinho Maria-preta;
  4. Participar de uma Simulação da ONU e merecer o primeiro lugar (foi uma grande vitória, principalmente pelo fato de a minha participação em 2015 ter sido, digamos, menos honrosa);
  5. Ser convidada para escrever um monólogo que será interpretado por uma atriz que eu admiro muito <3
  6. Terminar o Ensino Médio com louvor e sem recuperação! (eu já perdi algumas provas e só fiquei de recuperação uma vez na vida, no fundamental e em arte);
  7. Conseguir o Primeiro lugar em duas provas que eu fiz, um vestibular para Análise e Desenvolvimento de Sistemas e uma prova para ingressar em um Técnico em ADM;
  8. Ter conhecido (ou me aproximado) de várias pessoas legais: o Luiz Gustavo, a Duda, Hellen, Isabella, Mateus, João, Flávia, entre muitos outros que guardo no coração <3
  9. Ter feito a sobrancelha pela primeira vez;
  10. Ter conhecido vários canais legais no youtube: heydebeee, Paula Stephânia, Melina Souza, Júlia Galvão, etc.;
  11. Ter aprendido a rebolar (OH GLÓRIA!);
  12. Ter lido na Missa algumas vezes ( 1ª e 2ª leituras, Salmo e Preces #é_noiz_liturgia);
  13. Ter arrumado a prateleira do meu quarto de uma forma que eu amei <3 (só preciso mantê-la assim);
  14. Ter comprado bons livros (não lembro quantos e não li todos, mas sei que vou gostar e aprender muito);
  15. Ter assinado a Netflix (na verdade é minha mãe que assina, mas sou eu que uso majoritariamente);
  16. Ter me apaixonado por Geometria Analítica, por The Crown (oi Matt Smith!), por Gossip Girl, Revenge e Dinastia;
  17. Ter me aceitado: sou negra, altura média, um pouco desengonçada, meiga, meu cabelo é cacheado, meus lábios são carnudos, tenho alergia de algo que me faz tossir mas não sei o que é, eu nasci para escrever, ler e fazer contas matemáticas, danço mal, não sou boa em nenhum esporte (nem xadrez), amo Jesus e é assim que a banda toca!

Então, 2017 foi o ano da gratidão, e ano Mariano, e 2018 é ano de quê? (Além de ser o ano do laicado...) Vamos escrever sobre isso.

sábado, 30 de dezembro de 2017

Descobertas são mesmo novidade?


Alguns acontecimentos recentes somados a profundos momentos de reflexão acerca de mim, me fizeram pensar se toda descoberta é uma novidade. E adivinha? É relativo. O que eu nunca vi pode ser parte do seu cotidiano. A questão mesmo é honestidade: admitir que não fomos os primeiros. E admitir que não seremos os últimos. Eu li A cidade do Sol de Khaled Husseini em 2016, mas apenas há alguns dias cheguei ao significado de uma metáfora que ele usou. Pra mim, foi uma descoberta. Claro, eu me critiquei por ter demorado um ano para pensar, mas eu pensei. Eu descobri hoje que se você salva uma imagem como ".png" ela pode ficar com fundo transparente, enquanto se você salva como ".jpeg" a resolução fica horrível. Pedro Álvares Cabral não descobriu o Brasil pela 1ª vez e nem por acaso. O que é novidade para um, para outro não é, simplesmente. Em suma: vamos pensar que é isso que nos humaniza, não sermos os primeiros ou os últimos, apenas os descobridores.
P.S.: Vou assistir a 2ª temporada de Once Upon a Time
PS.: Eu sei que PS é inútil, mas eu acho lindo.

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

2018 - Ano Novo


Ao que me parece um novo ano apressadinho chegará em menos de 3 dias. Com ele virão inúmeras responsabilidades para mim: 18 anos, emprego, habilitação, vestibular, faculdade, pastoral da igreja...estou ansiosa?Não, acredite. Nunca fui do tipo desesperada quando vê uma novidade ou quando não sei o que me aguarda. Um dia de cada vez. Ainda tenho um pedacinho de 2017 para que eu possa me organizar para ano que vem, financeiramente falando. Descobri um dia desses que eu quero ir para a Inglaterra. Tenho alguns motivos para isso:
1. The Crown
2. A Noite da Realeza
3. Doctor Who
4. Lindos campos
5. Matt Smith
6. Reinauguração do Big Ben- o relógio, mais especificamente falando, acho que o sino vai bem demais- em 2021 (dá tempo de juntar o dinheiro)
Certamente ao longo dos anos que virão eu estarei poupando para isso. É meio cedo para desejar um Feliz Ano Novo. Então eu te ORDENO que construa  sua própria felicidade nessa nova volta da Terra ao redor do Sol, tecnicamente falando.